Telefone:  (11)  3884-7100    •    contato@sogesp.com.br
Logo SOGESP

2013 / Tema 05

Lesão mamária não palpável: métodos de abordagem para obtenção de material para estudo cito ou histológico ( Non palpable breast lesion: methods for obtaining material for cito or histological study )

  1. A biópsia mamária percutânea deve ser a primeira opção no diagnóstico das lesões mamárias suspeitas não palpáveis da mama (A).

  2. As biópsias cirúrgicas das lesões não palpáveis da mama requerem localização pré-operatória e devem ser realizadas em situações de exceção. Podem ser usadas quando não há disponibilidade de biópsia percutânea na região, devendo a paciente ser informada de sua maior morbidade, para que ela possa decidir sobre um eventual deslocamento para submeter-se ao outro procedimento (A).

  3. As técnicas que permitam amostras teciduais (BPF e BPV) devem, em geral, ser preferidas à amostragem citológica (PAAF) (A).

  4. A PAAF é uma boa opção na abordagem inicial de um nódulo com suspeita de tratar-se de cisto complicado ou galactocele (C).

  5. A BPF orientada pela USG é o método preferencial no diagnóstico dos nódulos, independente do tamanho da lesão (B).

  6. A amostragem tecidual pela BPV apresenta vantagem em relação à BPF na avaliação das microcalcificações (B).

  7. Quando uma lesão é identificada por mais de um método, a ultrassonografia deve ser a ferramenta de orientação preferida, seguida da estereotaxia (B).

  8. A biópsia guiada pela RM das mamas deve ser indicada somente quando a lesão não puder ser identificada por outros métodos de imagem, em exames de revisão (second look) (B).

  9. A correlação historradiológica é fundamental, e os casos discordantes devem ser reavaliados atentamente (B).

  10. O diagnóstico por meio da biópsia percutânea pode ser subestimado em algumas lesões de alto risco. Nessa situação, a indicação de cirurgia é fortemente sugerida (B).

  11. O seguimento pós-biópsia é importante para tentar identificar a possibilidade sempre presente de falso negativo. O intervalo máximo para o seguimento por imagem de lesões com resultado benigno não deve exceder a um ano (C).