Logo SOGESP

Um futuro melhor a todos nós

Notícias SOGESP

São Paulo, 08 de outubro de 2021

Parabenizo todos os médicos do País e, em particular, os colegas ginecologistas e obstetras pelo comportamento digno, exemplar  com que exercem a profissão e pela honradez e amor à vida, aos pacientes, evidenciados ainda mais fortemente desde o início da pandemia.

Dra. Rossana Pulcineli Vieira Francisco

Chegamos a mais um Dia do Médico com um gosto amargo na boca. No Brasil, já são mais 600 mil óbitos. O dia a dia segue difícil. Os desafios foram e continuam sendo imensos, a despeito de toda a entrega, determinação e profissionalismo de colegas de todas as especialidades.

Ainda teremos de conviver com esta doença por tempos. Ela seguirá sendo risco importante à saúde e à vida. Agora há ainda o perigo de variantes, a Delta em particular.

A gravidade da pandemia não significa que não devemos pensar no futuro e continuar construindo um presente cada dia melhor. Há esperança! Com a vacinação avançando, já temos certa flexibilização de algumas normas preventivas.

Importante não perder de vista que isso ocorreu bem antes em nações que levaram a sério o SARS-CoV-2, se estruturaram e agiram rápido para resguardar seus cidadãos.

No Brasil, o processo foi lento. Mas estamos avançando, com trabalho e persistência.

Parabenizo todos os médicos do País e, em particular, os colegas ginecologistas  e obstetras pelo comportamento digno, exemplar com que exercem a profissão e pela honradez e amor à vida, aos pacientes, evidenciados ainda mais fortemente desde o início da pandemia.

Minha gratidão em meu nome, em nome da SOGESP e sua diretoria, de minha família (sou paciente e eles também), enfim, creio que é isso que todos os brasileiros gostariam de fazer agora; agradecer aos médicos. Obrigado.

Registro, por relevante, que a SOGESP fez e segue fazendo sua parte na crise sanitária: apontamos os riscos às gestantes, pleiteamos imunização a todas as grávidas e puérperas, independentemente de comorbidades e sem obrigatoriedade de recomendação médica. Fomos ouvidos e o bom senso acabou prevalecendo.

Atualmente, como caminhamos em maior velocidade na imunização, assistimos aqueda de óbitos e casos. Que assim prossiga.

A retomada parece possível a todos nós. Se tudo seguir bem, poderemos voltar à vida: se não a normal, quase isso.

Indispensável a reflexão: a retomada exigirá responsabilidade,  delicadeza,  amor e respeito. A nós mesmos e aos outros. Zelar e ter mais atenção à saúde física são passos essenciais.

Cuidar da saúde mental é outro. Precisamos estar mais fortalecidos do que nunca. Indispensável igualmente é olhar para quem está ao nosso lado exercitando a compreensão de que a pandemia deixou marcas e só o tempo irá abrandá-las. Todos fomos tocados, cada um sabe como. Nós, ginecologistas e obstetras, teremos muito trabalho. Ouvir, apoiar, orientar, estar ao lado das pacientes se faz imprescindível, mais do que nunca. Certamente o faremos com competência, tato, sensibilidade e humanismo.

Não é exagero afirmar que o coração do planeta sentiu o baque; nos mantivemos firmes graças aos avanços da Ciência, à abnegação de profissionais focados na defesa da vida e a milhões pessoas que se envolveram para abrandar a dor de tantas pessoas.

Assim, já que ganhamos direito a um recomeço, façamos direito. Muito mais do que uma simples retomada, essa pode ser a motivação que precisamos para construir um futuro melhor.

Dra. Rossana Pulcineli Vieira Francisco é Presidente da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP).